Páginas

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Chega a primeira remessa de lixeiras para o Mutirão do Bem



No dia 17 de dezembro chegaram ao Território do Bem a primeira remessa de coletores (lixeiras) doadas pela empresa FÍBRIA, que serão distribuídas aos moradores de Jaburu e Consolação, durante as mobilizações de educação ambiental, do Mutirão do Bem, que acontece a partir do dia 5 de janeiro.

Foram doados 850 coletores da FIBRIA e 300 da COBRA EMGENHARIA. Cada residência visitada receberá duas lixeiras. Uma para lixo úmido e outra para armazenar lixo seco.

A organização do Mutirão do Bem conseguiu 1.400 lixeiras, além das citadas acima. Além disso, as padarias de Vitória doaram cerca de 250 baldes de margarina (14 Litros), que também serão distribuídos como lixeiras domésticas.

Relatos dessa fantástica experiência


A partir de agora nós postaremos nessa página relatos da equipe do Ateliê e de moradores que estão arregaçando as mangas pra que o Mutirão do Bem dê certo e que essa iniciativa tenha bons resultados. No final quem sabe esses relatos não gerem um livro, cartilha ou um artigo? O fato é que essa experiência não pode passar em branco.


O primeiro relato é o do técnico em Desenvolvimento Comunitário do Ateliê, que também é morador de Jaburu, um dos bairros que compõe o Território do Bem, Cosme Santos. Ele nos conta sua experiência no dia da entrega da primeira remessa das lixeiras.


Por Cosme Santos


Esse inesquecível capítulo se passou no dia 17 de dezembro de 2010. Exatamente numa sexta-feira, com o termômetro marcando mais ou menos uns 40 graus, na sombra. Ou seja, calor infernal.


Mas vamos ao que interessa: tudo começou com um telefonema da Fíbria, em que a representante marcou o horário da entrega das lixeiras que foram doadas para serem distribuídas para os moradores, em janeiro, no projeto de intervenção nos pontos sujos de lixo, no Território do Bem.


Só para constar, o contato foi feito na quinta-feira, dia 16, e a entrega marcada para o dia seguinte, a partir das 9 horas da manhã.


Feito o contato, fui em busca de apoio voluntário para descarregar as lixeiras do caminhão de entrega.


No dia seguinte, na hora marcada, estávamos lá, eu e mais três voluntários, esperando o caminhão.


O motorista me ligou por volta das 9 horas, avisando que estava saindo, porém a ligação caiu e ele não ligou de novamente, e eu não pude retornar pois a ligação era restrita.


Começava então a saga da entrega. As horas foram se passando e nada de o caminhão chegar. Para piorar, os voluntários começaram a se dispersar. Alegando estarem com fome e terem compromisso a tarde.


Foi então que após muitas tentativas, a Denise, conseguiu contato com a representante da Fíbria e com o motorista. Eles avisaram que tinha saído de Aracruz, que estava parando em Jacaraípe para almoçar e que depois seguiria para o Jaburu.


A Denise então me tranqüilizou. Assim, fui para casa, almocei e depois voltei para o Mirante.

E finalmente chegou o tão esperando momento da entrega.


Mas logo percebi que teríamos problema por causa do tamanho exagerado do caminhão, tal como manobrar no Mirante para entrar de ré no canteiro da Estrutural (empreiteira de construção) para descarregar.


No momento da manobra, além dos carros que já estavam estacionados, surgiu ainda o segundo micro-ônibus, da linha de Jaburu. Apareceu também o caminhão da coleta de lixo para recolher a caçamba, que fica ao lado do Mirante. E como os transtornos não podiam acabar por aí, chegou ainda um caminhão de entrega de material de construção. Ah, esqueci de mencionar que já tinha um caminhão dentro do canteiro da Estrutural, fazendo outra descarga.


Bom, isso durou aproximadamente uns 40 minutos. Ufa!!


E passamos por todos os empecilhos, mas estávamos felizes, pois conseguimos estacionar e realizar a tão sonhada descarga das lixeiras. E para minha surpresa, surgiram quatro jovens empenhados em ajudar voluntariamente e comprometidos com o sucesso da entrega, exigindo somente que fossem contemplados com a doação de duas lixeiras, no dia 5 de janeiro, para colocarem em suas casas, fato que me deixará feliz, pois é a prova de que a maioria dos jovens tem boa vontade, porém lhes falta oportunidade para demonstrar.


O motorista que pouco ajudou confessou que houve um erro de cálculo na escolha do caminhão, que, segundo ele, poderia ter sido menor, causando assim menos transtorno.


Bom, os problemas não pararam por aí. Ao final da descarga em Jaburu, os jovens voluntários que nos ajudavam, avisaram que em Consolação eles não iriam, devido ao conflito territorial. Assim fiquei sozinho novamente aguentando a pressão do motorista que, a todo momento, lembrava ter outra entrega a realizar.


Liguei para Denise (pela milésima vez), que imediatamente fez contato com a Geisileidia, para procurar apoio para executarmos a entrega das lixeiras em Consolação.


Enquanto isso fiz contato com o engenheiro responsável pelo canteiro da Estrutural. Expliquei o problema e ele cedeu dois homens para nos ajudar em Consolação.


Os dois homens seguiram viagem, apesar de contrariados por terem sidos removidos de suas funções, após eu explicar a importância que o projeto teria para as comunidades, eles se acalmaram.


Ao chegar ao local da entrega, em Consolação, um dos homens abriu a porta do caminhão dizendo que iria embora. Que ali não ficaria, por ele morar em Jaburu, e aquele local ser próximo da comunidade de Floresta.


Acreditem. Ele foi embora mesmo. Para nossa tristeza. Mas novamente não deixamos a peteca cair, e tocamos o barco, ou melhor, a descarga.


A Geisileidia já estava no local, e com um morador de Floresta. Nesse momento ia passando no local o Batista, catador de material reciclado, nós o convidamos para se juntar a nós. Daí a pouco chegou outro morador de Floresta, e até o motorista resolveu ajudar também, todos nós juntos, comprometidos e unidos, por essa causa que, com certeza, trará muitas coisas positivas para as comunidades do Território do Bem.


E assim chegamos ao final de nossa saga, com a descarga do restante das lixeiras, em Consolação, na casa da Dona Maria Rosa.


Mas como tudo tem seu lado bom, e nada acontece por acaso, além da felicidade de ter concluído a missão quase impossível do recebimento das lixeiras.


Aproveitei o tempo de espera da chegada do caminhão, para divulgar o Mutirão do Bem na comunidade, e também divulgar uma ação social de Natal, que aconteceu dia seguinte, 18, em que as crianças da comunidade de Jaburu foram presenteadas com lanche e brinquedo.


Podemos concluir que por mais negativos que sejam os acontecimentos, e por mais difícil que seja a nossa realidade, sempre podemos atrair algo de positivo que sirva para mudar para melhor a realidade de nossos semelhantes.

Visita aos comerciantes do Território do Bem faz aumentar circulação da moeda Bem





Em março deste ano noticiamos que os técnicos em Desenvolvimento Comunitário do Ateliê, Valmir Dantas e Cosme Santos, estavam percorrendo os bairros do Território do Bem, visitando e cadastrando os comerciantes da região (leiam em http://ideiasdoatelie.blogspot.com/2010/03/equipe-do-atelie-cadastra-comercios-do.html)

Pois bem, nós prometemos que falaríamos mais adiante sobre os resultados dessas visitas e hoje estamos aqui para cumprirmos nossa promessa.

As visitas aos comércios das oito comunidades que compõem o Território do Bem começaram em fevereiro desse ano. A ideia é cadastrar os comerciantes, estimulando-os a aceitar em seu estabelecimento a moeda social do banco comunitário, a moeda Bem, explicando as vantagens da utilização da moeda para a região e para o próprio comerciante, tirando dúvidas, incentivando a troca de valores em Real por valores em moeda Bem, e também a que eles usem estes Bens para darem troco aos moradores das comunidades.

Segundo o técnico em Desenvolvimento Comunitário do Ateliê de Ideias, Cosme Santos, Já são mais de 180 comércios cadastrados, com cerca de 160 aceitando a moeda Bem. E como parte do acompanhamento aos comerciantes, são feitas em média duas visitas a 30 comércios a cada dois meses.

“A cada dia há mais moedas Bem circulam nas nossas comunidades, e os comerciantes estão mais consciente da importância de se fortalecer a moeda”, explica Cosme ao falar sobre os resultados das visitas.

Durante as visitas de acompanhamento aos comerciantes já cadastrados, Cosme destaca que a principal dúvida é o que fazer com a moeda: “Muitos pensam ser vantagem juntar a moeda e pagar suas contas no Banco Bem. Eu explico que isso é valido, mas a melhor opção é comprar nos outros comércios para proporcionar a circulação”, esclarece.

Questionado sobre qual a importância das visitas, Cosme relata: “São importantes porque promovem a circulação e o fortalecimento da moeda, mantém o vinculo do Banco Bem com os comerciantes e mantém acesa a chama da boa vontade e da solidariedade dos comerciantes para com sua região”.

As visitas aos comerciantes continuam. Esse acompanhamento vai acontecer sempre, mais adiante traremos outros dados sobre as visitas. Vamos torcer pra que cheguemos a atingir uma marca que contemple a aceitação da moeda social do Banco Bem, a moeda Bem por todos os comerciantes do Território do Bem.

De forma bem espontânea, Cosme nos conta como foram algumas dessas visitas aos comerciantes do Território do Bem:

SER SOLIDÁRIO É...

A Elo, proprietária do Salão da Elo, em Itararé, é um exemplo de comerciante solidária. Aceita a moeda Bem, não só pelo lucro, mas por entender a importância do projeto. Prova disso é que se, por qualquer motivo, eu demorar em visitá-la, ela me liga, pedindo para eu aparecer pra lhe informar as novidades relacionadas sobre a moeda ou ao Banco Bem.

Ela é sócia contribuinte do Clube do Bem, e toda vez que visito seu comércio, Elo troca Real por Bem.

QUEM INDICA

Visitei a loja Dimarco Presentes, em Itararé, que vende produtos de 1,99. Fui até lá por indicação de outra comerciante, que tinha falado da moeda Bem para a proprietária e, segundo ela, a mesma se tornou bastante interessada.

No início da visita ela não parecia compreender como utilizar a moeda Bem. Ela disse que já tinha comentado para sua amiga, que me indicou, que já tinha ouvido falar nesse “tal de papel do Bem. (Realmente ela já tinha ouvido falar, inclusive eu já tinha falado pra ela, mas ela alegava quem decidia aceitar ou não a moeda Bem era o marido dela). Mas isso mudou depois da indicação da outra comerciante.

A comerciante questionou o fato de não ter como ir ao Banco Bem pagar suas contas ou trocar as moedas Bem. No entanto expliquei a ela que ao invés de ir ao banco seria mais vantagem comprar com a moeda Bem em outros comércios para obter descontos. Por fim ela se cadastrou para receber a moeda, se cadastrou no clube do Bem, e toda vez que visito seu comércio, ela troca Real por moeda Bem. Além de dar descontos para quem compra com a moeda Bem.

Isso mostra a importância dos comerciantes entenderem como funciona e a importância da moeda, pois assim eles estimularam outros comerciantes a aceitarem o Bem.

A PROPAGANDA É A ALMA DO NEGÓCIO

Em uma das visitas que sempre faço à farmácia de Consolação fiquei surpreso ao ver um cartaz com a seguinte informação: “Aqui tem Banco Bem”.

Perguntei ao funcionário da farmácia qual a motivação para o cartaz? Ele revelou ter sido sua a iniciativa de desenvolver tal divulgação, pois, segundo ele, o adesivo atual da moeda Bem é muito apagado, o que em sua avaliação dificulta a visualização dos clientes.

Depois dessa iniciativa inovadora, eu claro, fiquei fã dele, e imediatamente o convidei para o Clube do Bem, e ele, claro, aceitou.

TEMPO É DINHEIRO


Esses dias atrás, pela manhã, me foi dada a missão de imprimir duas declarações para autorização de uso de imagem para o Ateliê de Ideias. Por estar sem internet, procurei a Lan House Top de Linha, em Jaburu, cujo proprietário é o Real.


E pra não perder tempo fui logo o convidando para participar do Clube do Bem, já que ele acabara de se queixar do pouco movimento no seu comércio, de estar desempregado, e de estar contando só com a renda do estabelecimento e de algumas manutenções de computadores, quando aparecem.

Ele imediatamente perguntou qual beneficio teria se cadastrando, e eu expliquei que além do desenvolvimento local, o seu comércio poderia se fortalecer. Poderia oferecer descontos aos sócios do Clube do Bem.


Ele não fez por menos, cadastrou-se, conveniou-se ao clube e está oferecendo 10% de desconto para quem usar os serviços da Lan House e para quem solicitar seus serviços de técnico de informática, pagando com moeda Bem.


E eu, lógico, antes de pagar pelas impressões que fiz lembrei a ele que era sócio do Clube do Bem e usei os meus 10% de desconto.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Ateliê assina convenio com a CAIXA/ODM



É com muita satisfação que reproduzimos abaixo matéria veiculada no informativo interno da CAIXA, noticiando a assinatura do Convenio do Ateliê de Ideias, com o projeto ambiental Ecos do Bem, com a CAIXA/ODM.


A matéria e as fotos foram produzidas pela Assessoria de Imprensa da CAIXA, e veiculada na quinta-feira, dia 23/12.


Parabéns à equipe do Ecos do Bem, do Ateliê e à comunidade do Território do Bem.

ESPÍRITO SANTO ASSINA PROJETO CAIXA-ODM

A CAIXA assinou nesta quinta-feira (23), na sede da Superintendência Regional Norte do Espírito Santo, o Acordo de Subvenção do Programa CAIXA ODM em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) que irá beneficiar as comunidades de Jaburu, Floresta, Itararé, Bairro da Penha e São Benedito. O projeto de educação ambiental, denominado Ecos do Bem é focado na ação comunitária para realização de educação ambiental com foco na gestão de resíduos sólidos.


O projeto tem como objetivo único contribuir para o desenvolvimento local sustentável do Território do Bem, em Vitória (ES), associando a criação de uma cultura de responsabilidade socioambiental entre os moradores com a geração de renda dos catadores de materiais recicláveis. Este projeto atenderá a 31 mil habitantes, somando as oito comunidades envolvidas no Território do Bem.


Os trabalhos para a realização do projeto Ecos do Bem vão fomentar iniciativas de responsabilidade sócio-ambiental, com foco nos resíduos sólidos. Todo o projeto teve origem na percepção dos moradores das oito comunidades identificando a necessidade de cuidar do meio ambiente e dar o destino adequado aos lixos úmidos e resíduos sólidos.


O Ecos do Bem tem como ponto de partida eventos comunitários de mobilização. Serão realizados cafés comunitários, caminhadas, visitas domiciliares, tendo como meta que 60% da população destes oito bairros seja sensibilizada direta ou indiretamente por estas ações.


Ateliê de Idéias - é uma organização sem fins lucrativos, certificada como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), que tem como objetivo promover o desenvolvimento a partir da potencialização de boas idéias e soluções para problemas identificados com interação contínua junto com as comunidades atendidas.


Sua visão de futuro é que essas comunidades estejam organizadas e sejam capazes de conduzir, com autonomia, o seu desenvolvimento, de modo endógeno, articulando seus atores produtivos, incidindo em políticas públicas e participando ativamente da governança local.


Objetivos do Milênio - A Caixa, o PNUD e a Agência Brasileira de Cooperação, ligada ao Ministério das Relações Exteriores, assinaram em novembro de 2009 um acordo de cooperação técnica. O contrato visa a fortalecer e a aprimorar as práticas do Programa Caixa ODM, por meio da sistematização de metodologias de intervenção social, aprimorando as capacidades internas do banco na elaboração, análise, gerenciamento e avaliação de projetos de desenvolvimento humano, em especial aqueles voltados às comunidades vulneráveis no Brasil.


Criado em 2006, o Programa Caixa ODM faz parte da estratégia de relacionamento da instituição com as comunidades e pretende consolidar a atuação da Caixa como agente financeiro promotor de desenvolvimento local de forma integrada com os objetivos negociais, pautado nos princípios que norteiam a responsabilidade social empresarial.


Participaram da assinatura na sede da superintendência regional Norte do Espírito Santo, o superintendente regional Antonio Carlos Ferreira, a representante do Ateliê de Idéias, Leonora Michelin Laboissière Mol, a coordenadora do projeto Ecos do Bem, Denise Barbieri Biscotto, o gerente regional da SR Norte do ES, Antonio Carlos Nicchio, o presidente da ONG Moradia & Cidadania do ES, Roberto Salles Paradizzo e os representantes do Comitê ODM/ES, Luciane Freire de Almeida, Zelinda de Souza Tozetti e Luiz Paulo de Andrade Reis.


Legenda: 3185 – A coordenadora do projeto Ecos do Bem, Denise Barbieri Biscotto, a representante do Ateliê de Idéias, Leonora Michelin Laboissière Mol e o superintendente regional Antonio Carlos Ferreira assinam o contrato 3187 – o gerente regional da SR Norte do ES, as representantes do Comitê ODM/ES, o presidente da ONG Moradia & Cidadania/ES, a coordenadora do projeto Ecos do Bem, a representante do Ateliê de Idéias e o superintendente regional da SR Norte do ES.


Assessoria de Imprensa

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

www.caixa.gov.br

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Bem Arte Moda lança catálogo, acesse o blog e saiba mais!


O empreendimento comunitário que envolve artesãos do Território do Bem, Bem Arte Moda, lança catálogo para divulgação dos seus produtos. Para conhecer as novidades e saber mais sobre a produção do catálogo, basta acessar o lindo blog do Bem Arte Moda em: http://bemartemoda.blogspot.com/


Lembrando que o Bem Arte Moda é um dos grupos produtivos do Ateliê de Ideias. Além da parceria com o Ateliê, esse grupo de mulheres empreendedoras conta com o apoio da Rummos Assessoria e Pesquisa, Arcellor Mittal, Fundação Interamericana e Sebrae - Espírito Santo.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Diretor Executivo da Rummos escreve sobre Agências de Desenvolvimento Local


O diretor executivo da Rummos, organização parceira, que assessora o Ateliê de Ideias nas áreas de gestão e comunicação, Gláucio Gomes, escreve artigo sobre um dos programas da Rummos, que é a implantação e a sistematização de agências de desenvolvimento local (ADL). Nesse sentido, Gláucio fala da atuação do Ateliê de Idéias, de Vitória, ES, e da ADEL (Agência de Desenvolvimento Econômico Local), de Pentecoste, no Ceará.

Agências de Desenvolvimento Local

A Rummos é uma organização sem fins lucrativos de suporte ao fortalecimento do Terceiro Setor no Brasil. Um de seus programas tem como foco a implantação e a sistematização de agências de desenvolvimento local (ADL). A Rummos, hoje, assessora duas organizações que são ADLs: a ADEL (Agência de Desenvolvimento Econômico Local), de Pentecoste, no Ceará, e o Ateliê de Ideias, de Vitória, no Espírito Santo.

A ADEL atua em toda a microrregião do Médio Curu – um território composto por quatro municípios, todos no semiárido e com economia rural baseada na agricultura familiar. Trabalha com a articulação e coordenação de recursos e atores para promover o desenvolvimento local sustentável de territórios rurais, com ênfase no fortalecimento da agricultura familiar, na formação de redes e no empreendedorismo juvenil.

Fundada em 2007, já atendeu a cerca de 600 pequenos agricultores e suas famílias, com especial atenção aos jovens (inclusão produtiva e manutenção desses jovens no campo) e a estratégias para estimular a cooperação para o desenvolvimento local, a participação dos pequenos produtores nos processos decisórios e políticas públicas e para formação de recursos humanos qualificados para aumentar a produtividade e rentabilidade da agricultura familiar.

O Ateliê de Ideias atua no Território do Bem – uma região formada por oito comunidades de baixa renda na área central de Vitória, capital capixaba. Trabalha com a potencialização de idéias, soluções e tecnologias sociais inovadoras e viáveis que partam dos próprios atores locais das comunidades atendidas – de modo endógeno.

O Ateliê de Ideias provê apoio técnico, político e gerencial para a organização dessas comunidades, para o mapeamento de suas potencialidades e limitações, o planejamento e a gestão participativa do território e a implantação de projetos e iniciativas priorizadas pelos próprios moradores, a partir de um processo decisório coletivo em um fórum comunitário chamado de Fórum Bem Maior. Alguns desses projetos se tornaram estruturas comunitárias de destaque: como o Banco Bem (banco comunitário que atende ao território) e o Programa de Incubação de Empreendimentos de Economia Solidária – através do qual o Ateliê de Ideias apoia diversas iniciativas produtivas de grupos de moradores locais.

A ADEL tem seu foco de atuação em áreas rurais. Enquanto o Ateliê de Ideias trabalha com territórios urbanos.

Essas duas organizações vêm tendo grande reconhecimento de suas comunidades e da sociedade como um todo, indicado pelos prêmios e menções de destaque que receberam nos últimos meses.

A ADEL, através de seu diretor executivo, Wagner Gomes, recebeu o Prêmio Empreendedor Social de Futuro, concedido pela Folha de São Paulo, em parceria com a Fundação Schwab. Ganhou uma menção honrosa no Prêmio Celso Furtado, realizado pelo Ministério da Integração Regional, e foi segunda colocada no Prêmio Rosani Cunha, do Ministério do Desenvolvimento Social.

O Ateliê de Ideias também foi bastante premiado. A empreendedora social da Ashoka, Leonora Mol, sua diretora executiva, foi finalista do Prêmio Cláudia, da Editora Abril. A organização recebeu o Prêmio Atitude Sustentável, da Rede Gazeta/ES e o Prêmio ODM (Objetivos do Milênio) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Caixa Econômica Federal e Gabinete da Presidência da República, tendo ainda sido escolhida pelo Prêmio Melhores Práticas da Caixa Econômica Federal. Também foi segunda colocada na etapa regional do Prêmio FINEP de Inovação.

Esses prêmios para ambas as entidades refletem o reconhecimento de suas práticas e estratégias. A questão é que os métodos da ADEL e do Ateliê de Ideias têm muito em comum. As duas organizações são essencialmente similares: tanto pela atuação no segmento de desenvolvimento local, como pelos valores e pelas diretrizes de suas estratégias. Ambas são agências de desenvolvimento local.

As duas organizações têm em comum o fato de serem estruturas exógenas, técnicas e especializadas em assessoria, formação, mobilização e articulação de atores e recursos, que atuam em prol do desenvolvimento local dos territórios, urbanos ou rurais, com ênfase na criação de estruturas sustentáveis de fortalecimento organizativo, econômico e social. Suas estratégias consistem sempre em pôr os atores locais no centro de todo o processo, desenvolvendo formas para que se apropriem dos resultados, dos projetos, dos conhecimentos e das ferramentas, de modo a serem autônomos em longo prazo.

Os métodos da ADEL e do Ateliê de Ideias partem do mesmo princípio: o desenvolvimento é sustentável apenas quando ocorre com base no equilíbrio entre a construção de capacidades de governança (organização, gestão, cooperação e diálogo com políticas públicas) e a estruturação dos segmentos econômicos (produtivas e comerciais) e sociais (serviços essenciais para garantia de direitos) no território – considerando as variáveis culturais e ambientais.

A sustentabilidade vem do fato do foco não ser o atendimento às pessoas. E sim a criação de mecanismos de cooperação e governança local, para que as comunidades sejam produtoras de seus próprios benefícios em maior prazo. O que significa, em síntese, investir na formação de capital social e na inserção qualificada dos atores nos processos decisórios coletivos, em nível local – para que possam transformar demandas e potencialidades em subsídios para políticas públicas com maior qualidade e, assim, mais democráticas.

Acima de tudo, são organizações produtoras e difusoras de tecnologia social de desenvolvimento humano, que geram conhecimento em prol da construção de estratégias que podem ser experimentadas num território e, uma vez sistematizadas, serem reaplicadas em maior escala em diversas outras comunidades e regiões. Tanto o Ateliê de Idéias como a ADEL já pensam e conduzem estratégias de reaplicação, com o objetivo de dar escala aos seus trabalhos. O Ateliê de Idéias deu início à reaplicação de sua tecnologia social em uma região do município de Cariacica, no Espírito Santo. Já tendo, inclusive, contribuído na criação de um novo banco comunitário. A ADEL está sistematizando sua tecnologia social e já planeja sua reaplicação em outras microrregiões cearenses que tem a agricultura familiar como principal vocação econômica, em cadeias produtivas como, por exemplo, a fruticultura.

A ADEL e o Ateliê de Ideias atuam como prestadoras de serviços técnicos na área de desenvolvimento social e econômico para essas comunidades e territórios. São empreendimentos sociais que oferecem insumos e ferramentas por um determinado prazo, tendo como diretriz o processo formativos dos seus clientes. Gerando, necessariamente, uma relação de independência.

As agências de desenvolvimento local, como a ADEL e o Ateliê de Ideias, criam um modelo de relacionamento com as comunidades, territórios e suas instâncias organizativas (associações, cooperativas, fóruns, conselhos etc.), baseado numa troca. Oferecem serviços como formação, assessoria, articulação e mobilização de parceiros externos para projetos endógenos e diagnósticos e avaliações, de demandas, de potencialidades e de impactos. Os atores locais mobilizam parcerias ou reúnem recursos próprios para custear os serviços entregues por essas organizações. Muitas vezes, especialmente nos primeiros anos de atuação, as próprias agências mobilizam parceiros externos, como investidores, para viabilizar a oferta desses serviços. Não é um relacionamento tradicional entre entidade e beneficiário, mas uma relação entre organização técnica especializada, com produtos e serviços de qualidade, e um público que demanda esses produtos e serviços e participa do arranjo institucional ou empresarial necessário para viabilizar as operações. Em suma, uma relação entre oferta e demanda, numa oportunidade socialmente empreendedora..

Vale lembrar que desenvolvimento local não está associado apenas à pobreza e à vulnerabilidade, mas à dinamização dos territórios, à identificação e ao aproveitamento de suas potencialidades, à valorização da inovação e do conhecimento e à formação, organização e articulação de recursos humanos. Todo o território demanda apoio técnico, em muitos momentos, para compor essa equação, independente de seu grau de riqueza. O que agências de desenvolvimento local fazem é atender a essa demanda.

A principal lição que essas duas organizações deixam é que desenvolvimento humano é sustentável apenas quando está relacionado a um processo formativo amplo e baseado em equilíbrio entre muitas dimensões da vida em comunidade, e não quando está relacionado apenas a produtividade e renda, mas também à cooperação, à democracia, à capacidade de governança coletiva e à garantia de direitos fundamentais. São organizações que, de fato, trabalham com o conceito de desenvolvimento como liberdade.

A Rummos está desenvolvendo, em parceria com a ADEL e o Ateliê de Idéias, um programa para sistematização e reaplicação de agências de desenvolvimento local no Brasil, com base nas experiências dessas duas organizações.

Gláucio Gomes

Diretor Executivo da Rumos Assessoria Pesquisa e Avaliação

http://www.rummos.org.br/

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Muita música no Show 'Movimento Solidário'

O IlhAcústico e o programa Em Movimento / TV Gazeta promovem um grande show no domingo, 19 de dezembro com uma super-banda formada pelos músicos: Alexandre Lima, Renato Casanova, Tati Wuo, Amaro Lima, Fred, Gustavo Macaco, Bruno Araújo, Cx, Bob Reggae, Jonathan e Bloco Bleque. Toda a renda será revertida para o Projeto Rede de Coletivos Jovens do Ateliê de Idéias. Os ingressos do 1o lote estão sendo vendido a R$ 5,00, e 2o lote a R$ 10,00. Durante o show, um programa especial do Em Movimento será gravado e irá ao ar no sábado de natal (25/12).

Promoção: As pessoas que forem ao evento estarão concorrendo ao sorteio de uma guitarra autografada por todos os músicos. A Guitarra é um presente da Carneiro Instrumentos Musicais. Mecânica: Ao entrar, a pessoa escreverá seu nome no canhoto do ingresso, que irá para uma urna para posterior sorteio durante o evento.

Atrações: ALEXANDRE LIMA, RENATO CASANOVA, TATI WUO, AMARO LIMA, FRED, XUXINHA, GUSTAVO MACACO, BRUNO ARAÚJO, CX, BOB REGGAE, JONATHAN e BLOCO BLEQUE.
Local: IlhAcústico
Data: Domingo 19 de dezembro
Horário: Abertura dos portões 18h. Início do Show 20h30.
Ingressos a venda: Lojas Carneiro da Grande Vitória (Shopping Vila Velha, Centro de Vila Velha, Centro de Vitória e Campo Grande)e lanchonete Bicho Guloso em Jardim da Penha.
Valor dos Ingressos: 1o Lote (primeiros 1000 ingressos) - R$ 5,00 / 2o lote - R$ 10,00

Instituição Beneficiada
A renda do evento será doada para o Ateliê de Idéias - Projeto Rede de Coletivos Jovens. A Doação será revertida para a criação de um Fundo de Incentivo ao Protagonismo Juvenil, que dará suporte e apoio financeiro a projetos e ações desenvolvidos por Coletivos Jovens em comunidades da Grande Vitória. O Projeto está criando uma Rede através do mapeamento das atividades de grupos que atuam nos vários municípios. Entre os Coletivos que já fazem parte da Rede estão: Olho da Rua (Vila Velha), Academia de Sonhos (Serra), Instituto Domínio Corporal (Serra), Tamujunto (Vitória) e Omelete Cultural (Vitória). O Ateliê de Idéias é a Instituição que ficou em primeiro lugar no Prêmio Atitude Sustentável 2010.

Projeto Rede de Coletivos Jovens.
Contatos
: Coordenadora: Lidiane Leite 9882-7013

Texto retirado do Gazeta On-Line: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2010/12/720033-muita+musica+no+show+movimento+solidario.html

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Venha ser voluntário no Mutirão do Bem

O Ateliê, em parceria estratégica com o Fórum Bem Maior (fórum de moradores), CISV Brasil, EMAU/UFES, Prefeitura Municipal de Vitória, Comitê de Voluntários do Banco do Brasil, Ong Moradia e Cidadania dos Empregados da Caixa, instituto A-Ponte e demais parceiros, estará – no mês de janeiro de 2011 – desenvolvendo ações ambientais no Território do Bem, que é formado pelas comunidades de São Benedito, Bairro da Penha, Itararé, Engenharia, Bonfim, Consolação, Floresta e Jaburu, em Vitória.


Iremos transformar – por meio de educação ambiental – pontos sujos de lixo em espaços melhores, mais saudáveis, mais bonitos, para serem cuidados como bem-comum pela comunidade.


Você é convidado a participar conosco como voluntário, sua participação é muito importante para todos nós.


Faça seu cadastro pelo link: http://www.a-ponte.org.br/voluntarios


De acordo com sua disponibilidade de tempo, venha fazer parte dessa ação.


SEJA VOCÊ TAMBÉM UM EDUCADOR AMBIENTAL!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Adel festeja 3 anos de muito trabalho


É com muita alegria e carinho que felicitamos a Adel (Agência de Desenvolvimento Econômico e Local), iniciativa que dá muito certo lá no Estado do Ceará, Nordeste do Brasil, pelo aniversário de três anos.


Criada em 2007 através do desejo de jovens estudantes universitários, em empreender em prol de suas comunidades, com valor da cooperação e do respeito, a Adel é uma organização social sem fins lucrativos, que visa combater o êxodo rural por meio do desenvolvimento econômico e social na região do Médio Curu, no semiárido cearense.


A agência desenvolve seu trabalho a partir de problemas das comunidades nas criações de bovinos, caprinos, plantações ou apicultura.


Um de seus fundadores é o e economista Francisco Wagner Gomes de Souza, que esse ano ganhou o Prêmio Empreendedor Social do Futuro, promovido pelo Jornal Folha de São Paulo.


Vale a pena conhecer o trabalho que a Adel desempenha. É muito legal. Nós recomendamos!


Para isso, basta acessar o site: www.adel.org.br , o blog de notícias: http://adel-ce.blogspot.com e assistir ao vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=JEHhoPDrSrc


Felicidade e prosperidade à Adel, à sua equipe e à comunidade que fazem com que essa iniciativa dê certo.


PARABÉNS!!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Banco Bem concorre ao Prêmio Anu 2010


O banco comunitário do Território do Bem concorre a mais um troféu. Desta vez o Banco Bem está entre os cinco indicados para a disputa estadual do Prêmio Anu 2010.

O Prêmio foi criado pela Central Única das Favelas – CUFA, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para os projetos socioculturais que impactaram positivamente as comunidades populares durante o ano de 2010.

O Banco Bem está concorrendo por ser um banco comunitário, criado por moradores das oito comunidades que compõem o Território do Bem, Vitória, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento local sustentável ao fazer com que a riqueza e a produção local se convertam em bens e serviços à própria comunidade.

As votações já estão abertas para a escolha popular do projeto de maior destaque de cada Estado do país.

Acesse o endereço: http://www.premioanu.com.br/in.php?id=mapa_votacao/mapa_es_voto conheça mais sobre o Banco Bem, assistindo ao vídeo e lendo o resumo do nosso projeto.

Mais uma vez contamos com o apoio, a divulgação e os votos de todos vocês!

O ganhador estadual será contemplado com troféu e reconhecimento nacional.

A votação se encerra no dia 31 de dezembro de 2010, ocasião em que serão divulgados os vencedores estaduais, às 12:00h no site do Prêmio – www.premioanu.com.br.

Parceiros do Ateliê que estão concorrendo em outros estados

Como a votação é por Estado, indicamos para serem votados outros projetos de instituições parceiras do Ateliê, tais como:

Estado da Paraíba – http://www.premioanu.com.br/in.php?id=mapa_votacao/pb/mapa_pb_voto - projeto Recursos Hídricos – Acesso e Manejo sustentável – Instituição: Centro de Educação Popular e Formação Social – CEPFES.

Estado do Ceará - http://www.premioanu.com.br/in.php?id=mapa_votacao/mapa_ce_voto - Projeto Palmatur - Instituição: Banco Palmas

Boa votação para nós!

Vamos juntos comemorar o 5º aniversário do Banco Bem



O Ateliê de Ideias convida seus amigos, parceiros e comunidade para festejar o 5º aniversário do Banco Bem, que acontece nessa sexta-feira, 10, às 19 horas no auditório da escola Ceciliano Abel de Almeida, em Itararé, Vitória.


Na ocasião vamos comemorar também a conquista do 1º lugar no Prêmio Atitude Sustentável da Rede Gazeta com apresentação cultural e palestra da Leonora Mol sobre Moeda Social


Durante o evento, serão entregues os certificados do curso Comércio Total do SEBRAE, para os empreendedores do Território do Bem, que participaram do curso.


Venham comemorar com a gente!


Serviço:

Data: 10 de dezembro

Hora: 19 horas

Local: EMEF Ceciliano Abel de Almeida

Tamanho menor na fonte - Rua Doutor Arlindo Sodré, s/nº, bairro Itararé, VItória. ( em frente à Secretaria Municipal de Educação)

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Ecos do Bem realiza Mutirão do Bem – Valorizando o lugar em que vivemos


O projeto Ecos do Bem selecionado em setembro/2010, pelo PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - e pela Caixa Econômica Federal por contribuir com os ODM – Objetivos do Milênio -, promove o “Mutirão do Bem – Valorizando o lugar em que vivemos”, que será realizado de 05 a 20 de janeiro de 2011.

Essa iniciativa é uma ação estratégica que visa enfrentar o problema do lixo no Território do Bem. A idéia é sensibilizar os moradores dos entornos dos pontos sujos de lixo, a partir da realização de campanhas de educação ambiental.

Segundo a coordenadora do Núcleo de Formação e Desenvolvimento Comunitário do Ateliê de Ideias, Denise Biscotto, o Mutirão do Bem irá formar multiplicadores de boas práticas, incluindo a separação e destinação adequada – e na hora certa – dos lixos secos e úmidos.

“São assustadoras as montanhas de lixo que se formam todos os dias, apesar de a coleta da Prefeitura ser realizada diariamente. São assustadores também os dados referentes ao impacto dessa problemática na saúde coletiva”, explica.

Os trabalhos de educação Ambiental terão como pontos de partida, eventos comunitários de mobilização. Serão realizados cinco Cafés Comunitários, sendo que no dia 05/01, será em Jaburu; 07/01, em Floresta; 12/01 em Itararé; 14/01 em Bairro da Penha e 18/01 em São Benedito.

Também farão parte da programação atividades lúdicas e visitas domiciliares – de porta em porta.

A meta é que 60% da população do Território seja alcançada e sensibilizada, direta ou indiretamente, pela mobilização realizada.

O Fórum Bem Maior conduzirá os processos de sensibilização e de educação ambiental.

O Projeto Ecos do Bem, com o “Mutirão do Bem – Valorizando o Lugar em que Vivemos”, tem como parceria o Ateliê de Idéias, o Fórum Bem Maior, o CISV (entidade internacional com comprovado expertise na gestão de recursos humanos voluntários para implantação e desenvolvimento de projetos em comunidades) e, o EMAU (Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo) e a Prefeitura Municipal de Vitória.

Somando força com essas cinco organizações, contaremos com a participação de voluntários qualificados e atores locais, parceiros como o Comitê de Voluntários do Banco do Brasil, a ONG Moradia e Cidadania, entre outros.

Planejamento

Um plano específico de marketing e comunicação comunitária será desenvolvido, de modo participativo e no âmbito do Fórum Bem Maior, para que atinja as bases comunitárias com o máximo de efetividade.

Atividades

  • Elaboração de plano de marketing e comunicação comunitária para educação ambiental;
  • Eventos comunitários de mobilização;
  • Caminhadas pelas ruas das comunidades e conversa com os moradores sobre o tema;
  • Visitas domiciliares de voluntários para sensibilizar os moradores

Meta

  • 60% da população do Território, alcançada direta ou indiretamente pelas atividades mobilizadoras de educação ambiental.

Atividades

  • Pesquisa de campo para mapear os pontos sujos de lixo no Território (etapa concluída);
  • Diálogo com a Prefeitura para aprimoramento dos processos logísticos de coleta de lixo e para a instalação de um sistema de lixo mais adequado para a região com a colocação de lixeiras nas vias públicas;
  • Reuniões e encontros (inclusive nas comunidades do Território) com gestores ambientais e de serviços públicos de gerenciamento de lixo para discutir plano integrado de manejo de resíduos sólidos no Território;
  • Reuniões e encontros com os integrantes da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis – AMARIV, com sede no Território do Bem.
A programação completa do “Mutirão do Bem – Valorizando o lugar em que vivemos”, vocês verão aqui mais adiante.

O Projeto Ecos do Bem

A iniciativa de viabilizar o Ecos do Bem surgiu de uma demanda da própria comunidade a partir do planejamento estratégico participativo do Território do Bem - Plano Bem Maior, em que uma série ações para o desenvolvimento local, foram desenhadas e determinadas. Assim o projeto tem como objetivo geral contribuir para o desenvolvimento local de modo sustentável no Território do Bem/ Poligonal 1, em Vitória, a partir da mobilização comunitária e da realização de campanhas de educação ambiental com foco na separação e destinação eficiente dos lixos (seco e úmido).

O aspecto ambiental possui grande relevância. E o principal problema identificado pelos moradores das oito comunidades que integram o território é o lixo – em especial, os pontos sujos de lixo.

O Projeto Ecos do Bem foi selecionado, em setembro/2010, pelo PNUD e pela Caixa Econômica Federal por contribuir com os ODM – Objetivos do Milênio. Uma das ações do projeto é o “Mutirão do Bem – Valorizando o lugar que vivemos”

Veja o que diz a nossa coordenadora do Núcleo de Formação e Desenvolvimento Comunitário, Denise Biscotto

Certa da importância de articularmos essa iniciativa com todos os setores da sociedade, para concretizar – da forma mais exitosa possível essa importante iniciativa, gostaríamos de estabelecer aproximação institucional com empresas e organizações gerais que possam fortalecer essa atividade.

Só a título de ilustração, nos links abaixo, duas das muitas iniciativas que inspiraram esse projeto:

http://www.youtube.com/watch?v=T7GzfMD6LHs

(Este link mostra um movimento que aconteceu em 2008: em UM DIA eles acabaram com todo o lixo da Estônia.)

Há outro vídeo também que é bem bacana, é um "curso" de verão que o Instituto Elos oferece: "Guerreiros sem armas". Veja o vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=WoEaewZxIl0

Denise Barbieri Biscotto

Coordenadora do Núcleo de Formação e Desenvolvimento Comunitário do Ateliê de Idéias

Fone: (27) 8118-7676